Procurar
Close this search box.

Melhora a eficiência da utilização do nitrogénio

Por Carmen Abad - Fertiberia e Bryan Sánchez - Cátedra Fertiberia

Como conciliar a produtividade agrícola com os objetivos de qualidade da água e do ar

  • Documento apresentado pela Universidade de Wageningen à International Fertilizer Society numa conferência em Cambridge, Reino Unido, a 12 de dezembro de 2019.

Na Europa, cerca de 60% do nitrogénio aplicado é absorvido pelas culturas, perdendo-se o restante no ambiente. Desde a década de 1990, a eficiência da utilização do nitrogénio (NUE) aumentou de 51% para 60%, mas não o suficiente para cumprir os objetivos ambientais.

As perdas de nitrogénio (N) devidas à utilização de fatores de produção agrícolas nitrogenadas afetam a qualidade do ar e da água. As elevadas concentrações de N nas águas de escoamento conduzem à eutrofização das águas de superfície, as emissões de amoníaco (NH3) têm um grande impacto nos ecossistemas terrestres e as elevadas concentrações de nitratos (NO3) nas águas subterrâneas afetam a qualidade da água potável. Estes fatores de produção agrícola incluem os fertilizantes minerais nitrogenados, os adubos orgânicos provenientes de estrume animal e biossólidos, bem como a fixação biológica de nitrogénio.

Globalmente, existem grandes diferenças nos impactos gerados por estas entradas de nitrogénio entre regiões. Em muitos países africanos, bem como em vastas zonas da América Latina e do Sudeste Asiático, os fatores de nitrogénio são insuficientes para manter a fertilidade dos solos, o que implica riscos de degradação das terras. Por outro lado, muitas economias desenvolvidas e em rápido crescimento têm grandes excedentes de N. Por conseguinte, em muitas partes do mundo, é necessário um aumento do fator de N para evitar a degradação dos solos e aumentar o rendimento das culturas, enquanto noutras é possível reduzir a aplicação de nitrogénio, mantendo ou mesmo melhorando os rendimentos e reduzindo os impactos ambientais. Em última análise, são necessários estudos pormenorizados que tenham em conta as condições específicas de cada caso.

Na UE-27 (excluindo a Croácia e incluindo o Reino Unido), a fim de avaliar onde são excedidas as chamadas "emissões críticas" de nitrogénio nas suas diferentes formas (N, NH3 e NO3) em relação aos impactos acima referidos, são utilizados modelos com base em balanços de nitrogénio. Para o efeito, são calculadas as entradas de nitrogénio necessárias para atingir os rendimentos e produções pretendidos e as entradas efetivas. Quando as entradas reais ou necessárias excedem as entradas críticas, a redução e o aumento necessários da NUE são calculados para alcançar a produção real ou pretendida, atingindo simultaneamente os objetivos de qualidade do ar e da água.

Para este estudo, foi utilizado o modelo INTEGRATOR, através do qual são calculados os seguintes valores:

  • As entradas reais de nitrogénio, que são a soma das entradas através de fertilizantes minerais, estrume, biossólidos, deposição atmosférica e fixação biológica de nitrogénio, enquanto a absorção de nitrogénio consiste no nitrogénio removido do solo através da colheita.
  • As entradas de nitrogénio necessárias para atingir o objetivo de rendimento da cultura são definidas como o rendimento máximo que pode ser obtido de uma cultura com 80% de disponibilidade de água. Para calcular estes fatores de produção, multiplicam-se as entradas de produção reais e o rácio entre o rendimento pretendido e o rendimento real, partindo do princípio de que todo o N adicional necessário é fertilizante mineral e que todos os outros fatores de produção se mantêm constantes. A absorção de N e as perdas de N nas entradas de produção necessários são obtidas através do escalonamento da absorção e das perdas reais pelo rácio dos dois desempenhos. Estes cálculos pressupõem que a NUE das entradas necessárias é a mesma que a NUE das entradas efetivas.
  • Perdas de nitrogénio para o ar e a água. As emissões de compostos gasosos de N e a lixiviação e escorrimento para as águas superficiais devem-se aos fornecimentos de N provenientes de fezes e urina no armazenamento de estrume, no pastoreio em liberdade, na aplicação de estrume e de fertilizantes minerais, na deposição atmosférica, na fixação de N e na utilização de resíduos de culturas. Estas perdas são calculadas multiplicando as entradas por fatores de emissão, lixiviação ou escoamento.
  • Entradas críticas de N em relação aos impactos ambientais, que são aquelas em que as perdas críticas para a água e o ar não são excedidas com a finalidade de cumprir os objetivos ambientais. Estes são obtidos através da identificação de valores críticos para os indicadores N definidos no ar e na água, da avaliação das perdas críticas de N no ar e na água, que correspondem aos valores críticos dos indicadores N identificados, e da avaliação das entradas críticas de N e das taxas de fertilização e excreção de N relacionadas com as perdas críticas de N. As entradas críticas de N referem-se a fontes que podem ser geridas pelo agricultor, enquanto os indicadores de N definidos são as emissões críticas de NH3 determinadas pela deposição crítica de N nos ecossistemas, a concentração de NO3 na lixiviação para as águas subterrâneas e a concentração de N no escoamento para as águas superficiais.

Os resultados mostram que os fatores de produção de N na UE-27 são, em média, 27% inferiores aos fatores de produção necessários para atingir o objetivo de rendimento das culturas. No entanto, para as emissões de NH3 e o escoamento de N para as águas superficiais, as entradas reais são 31% e 43% superiores às entradas críticas de N, respetivamente. Por outro lado, no que respeita à lixiviação de NO3 para as águas subterrâneas, estas entradas são inferiores ao limite em 1%. Por conseguinte, é necessário aumentar a NUE.

Uma redução global de 30% das entradas de N parece ser uma estimativa razoável para cumprir os objetivos de qualidade do ar e da água e, ao mesmo tempo, atingir os rendimentos pretendidos. No entanto, na UE-27 existem também grandes diferenças entre regiões. Os fatores de produção são largamente excedidos em zonas com elevadas aplicações de N, como a Irlanda, os Países Baixos, a Bélgica e o Luxemburgo, a Bretanha em França e o valle del Po em Itália, devido à produção animal intensiva.

Como já foi referido, a atual NUE na Europa é de 60%. Este valor tem de aumentar para 72% para proteger a qualidade das águas superficiais com os rendimentos atuais das culturas e até 74% para atingir os rendimentos pretendidos. Por conseguinte, é possível reduzir o impacto ambiental da agricultura aumentando este fator, ao mesmo tempo que se aumenta a produção agrícola na Europa.

No entanto, em algumas zonas, devido às suas caraterísticas de solo e clima especiais, seria necessário aumentar a NUE em 90% para atingir os objetivos ambientais, de forma a alcançar o rendimento pretendido. Nestas zonas, a solução seria reduzir a aplicação de N, à custa da redução do rendimento das culturas.

Espanha

No que diz respeito a Espanha, este estudo indica que, em algumas zonas, as entradas de N necessárias são diferentes das entradas efetivas, o que conduz a uma clara diferença de rendimento (diferença entre o rendimento efetivo e o rendimento potencial).

Por outro lado, em certas zonas, as emissões de NH3 são excedidas porque as caraterísticas da zona conduzem a limites baixos, apesar de não se tratar de um país com uma elevada densidade pecuária, como a Irlanda ou parte do Reino Unido.

Além disso, é necessário aumentar significativamente a NUE nas zonas de Espanha onde o escoamento crítico para as águas de superfície é excedido, a fim de proteger a sua qualidade.

Em suma, a gestão dos fatores de produção agrícola com nitrogénio deve ser melhorada em Espanha, a fim de minimizar os impactos ambientais e melhorar o rendimento das culturas. Para tal, é fundamental uma utilização eficiente dos fertilizantes minerais à base de nitrogénio, aplicando sempre o fertilizante certo, na quantidade certa, no momento certo e no local certo, adaptado às necessidades de cada cultura e de cada situação específica, com a ajuda de especialistas que aconselham sobre a forma como a fertilização deve ser efetuada.

Bibliografia: IFS Proceedings 842, Required changes in nitrogen inputs and nitrogen use efficiencies to reconcile agricultural productivity with water and air quality objectives in the EU-27 by Prof. Wim de Vries and Lena Schulte-Uebbing, Wageningen University.

Continuar lendo

Imagen para el interior de la noticia "Las estrategias para descarbonizar el sector agrícola, a debate en la 15º Jornada de la Cátedra Fertiberia de Estudios Agroambientales" mostrando a algunos de los presentes en la Jornada sobre Estrategias de Descarbonización
Imagen para el interior de la noticia
Imagen para el interior de la noticia

Fertiberia, uma referência na produção de hidrogénio verde e amoníaco de baixo carbono, bem como soluções de nutrição vegetal de elevado valor acrescentado e ambientais para a indústria.

O que fazemos

Criamos e fabricamos os produtos mais eficientes e sustentáveis para a agricultura e a indústria.

Ferramentas

Serviços para facilitar as tarefas diárias dos nossos clientes.

ESG

Os nossos pilares para garantir investimentos sustentáveis, inovadores e empenhados.

I+D+i

Investigação, desenvolvimento e inovação para um crescimento sustentável e responsável.

Contacte-nos

Scroll to Top